terça-feira, 23 de março de 2010

Quando se quer trocar.



A vida é muito curta, o tempo é muito precioso ... não seria bom ser imediatista ou tão inconsequente no amor, ou simplesmente vivê-lo pela metade... eu quero viver grandes amores como os ditados por Shakespeare! Devemos viver grandes amores sim, quero encontrar alguém que fale minha língua, que diga a verdade sobre mim, e expressar sua opinião seja algo continuo, que se torne habitual, dar dicas sobre como deveríamos fazer algo para o progresso da relação e do que influenciamos com ela em nossas vidas seja parte fundamental de nossas trocas.

Quero a parte intrínseca das coisas minhas... o valor da verdade, o acréscimo inteligente das conversas e das experiências em um troca mutua e prazerosa, em um retorno leve gentil e involuntário... queria saber se estou errada? Se peco por querer assim, se cometo uma falha, se vou pagar por ser como sou?

Desejo dar o que preciso for, se esse também for meu desejo, pois em troca quero que amem o que eu sou quando estou com quem eu amo, pois quando amamos sempre somos melhor do que realmente somos. Uma doce ilusão depois compreendida de que a perfeição não existe, mas a escolha e o desejo de se estar junto nos faz entender que o amor deve ser essa troca, clichê puramente verdadeiro que nunca sai de moda.







2 comentários:

karisia disse...

Adoro esse texto 100% de indentificação!!!
Ahhh eu vi em primeira mããão =P
Verdadeiro e pretencioso!!! Adoroo

Francislane disse...

Sempre verdadeira e direta!!!
Concerteza encontrará alguem especial!